domingo, 28 de novembro de 2010

Poesia - Alta Estação

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tem gente dentro de mim.
Humanos, humaninhos, humanóides,
humanantes.
Gente das mais variadas.
Uma imensa gama de seres
das mais diferentes fornadas.
Completos, carentes,
bacanas, contentes,
sacanas, doentes,
risíveis,
possíveis,
incríveis.
Gente que anima
e que emociona, gente que ensina
e gente que não funciona.
Estacionam,
param, correm,
transitam.
Moram, lotam,
ocupam espaços,
me habitam.
Me aquecem o sangue,
dão frio na barriga,
disparam meu coração,
provocam intriga.
Me acalmam, serenam,
me fazem pensar.
Multiplicam neurônios,
fabricam sinapses,
produzem meus sonhos,
e dormem tranquilos.
Cada um em sua casa,
em sua cama,
seu sono profundo
de corpos cansados
e almas em férias.
Enquanto eu,
ponto turístico em pessoa,
fervilho, plena alta estação,
superlotada.
Nem venha!
Vagas esgotadas.

Analú (2007)

4 comentários:

FLAGRANTES DA VIDA disse...

oi seu bolg e muito bom gostei gostaria que vc participasse do meu também como segui dor uma grande abraço.

Luiz Santilli Jr disse...

Ana
Na reengenharia de nossa vida, seria bom diminuirmos essas vagas, de forma seletiva!
Abraço

João Esteves disse...

Que poema intreressante, Analú!
Apesar da advertência poética da superlotação, o espaço aqui é virtual. De alma rencontrada, vim li e gostei.
Até.

Germano Xavier disse...

Você tem razão, Sorre...