domingo, 17 de janeiro de 2010

Poesia - Carente (Alento, 2007)

Eu queria um carinho,
um mimo qualquer.
A pele tá aqui
e eu tenho fungado muito.
Escanhoei meus pelos
pra ficar mais macia,
mas minhas próprias mãos
não me bastam.
Chove há dias
e eu umedeço aqui dentro.
Se quem me fala de longe
calasse de perto,
talvez então eu fosse mais feliz.

(Esta poesia faz parte da coletânea Alento - 2007)

6 comentários:

Vanessa disse...

Hummmm...o contato de mãos que não sejam as nossas, em algumas ocasiões, é bem melhor!! rs..

ju rigoni disse...

Muito lindo, Lúcia!

A palavra é mais tocante quando se está diante do instrumento que a emite e nos permite sentir, vibrar, não apenas com o pensamento...

Bjs e inté!

Ana Guimarães disse...

Bonito, Ana! Parabéns.
Beijo

Zé Carlos disse...

Olá minha linda, vim trazer meu carinho e meu mimo a ti... mesmo estando desaparecida.

Beijão do ZC

Carlos Bayma disse...

Convido-a a participar do Blog SOL – Saúde On Line.
http://saudeonline-cb.blogspot.com/
Carlos Bayma

Taddeu Vargas disse...

Olá Ana Lúcia! Adorei seu trabalho. Voltarei. Abraço forte. Sucesso!