domingo, 29 de novembro de 2009

Poesia - Agora Alento, 2007



Agora broto, orvalhada.
Eu, que já fui despetalada.
Agora nasço,
revivo,
aprendo.
Agora anseio
e agora creio.
Há algo pra mim.
Agora gosto
e agora quero.
Agora sinto.
Agora sim.

Analú

(Alento - 2007)

6 comentários:

Elika Takimoto disse...

Ana Lucia,

Muito legal essa sua versatilidade. Boa em prosa e boa em poesia.

Parabéns!

Vanessa disse...

Aeeeee! Agora sim mesmo! rs..opa! rs..

Antonio Paulo disse...

Linda sua poesia minha amiga passei a ser seguidor um abraço.

Fred Matos disse...

Não obstante a minha implicância com o uso comercial do "espírito natalino", não tenho como escapar da influência que a data exerce sobre o meu emocional que ainda teima em crer que a humanidade não é caso perdido e que podemos construir um mundo mais justo, sem violências e sem preconceitos. Em suma: sou um ingênuo assumido.
Sendo assim, é inevitável que venha para deixar os meus votos sinceros de que você tenha um feliz natal e que o ano novo não seja apenas uma nova página no calendário, mais um marco de mudança que inaugure uma nova era de paz e felicidades para todos e que possamos realizar todos os nossos melhores sonhos e projetos.
Felicidades.
Beijos

Marcelo Novaes disse...

Ana Lúcia,



Há sempre alguma gota a nos alentar.
Mínima que seja.






Beijos,







Marcelo.

Anônimo disse...

necessario verificar:)